Carla Martinez

Como pensar em inglês?

nikita-kachanovsky-bLY5JqP_Ldw-unsplash

Para a maioria das pessoas, começar a pensar em inglês significa parar de traduzir tudo de um idioma para o outro, e consequentemente parar de perder tanto tempo tentando construir frases. E é provavelmente o maior objetivo de quem estuda inglês, o bilhete da loteria, o pote de ouro no fim do arco-íris. É quando você sabe que não precisa mais estudar porque já é fluente.

SÓ QUE NÃO.

O nosso cérebro está A TODO MOMENTO tentando economizar energia; se livrar de informações e espaço que não usa. Quando aprendemos vocabulário e não usamos, o cérebro não se dá o trabalho de reservar espaço para aquilo. Também tem o fato de que, quanto mais cansados estamos, mais difícil é pensar, em qualquer idioma que seja.

Por isso é tão difícil sair construindo frases aleatórias em outro idioma: porque ainda não temos vocabulário suficiente. Não insistimos em praticar o suficiente para que o cérebro entenda que aquilo merece ser guardado em um espaço especial. É como o speed dial dos telefones antigos.

Portanto, quanto mais você praticar as coisas que quer falar,  mais rápido conseguirá pensar e menos terá que traduzir.

Mas repito: as coisas que quer falar.

Por isso eu sempre insisto na necessidade de entender seus objetivos de maneira muito clara, escrevendo-os para ir atrás deles com muito discernimento. Quanto mais perdermos tempo com coisas isoladas, difíceis demais para o nosso nível, e coisas que não conseguiremos incorporar aos nossos estudos, mais difícil será pensar no novo idioma.

Então, o que é pensar em um novo idioma?

É ter praticado certo vocabulário tantas vezes, mas tantas vezes, que você não precisa mais levar tanto tempo assim para manifestar as suas ideias. Pensamos automaticamente em português porque é o que fazemos há muitos anos, então parece que é automático. Mas compor um raciocínio é uma tarefa árdua em qualquer idioma.

E como fazer esse processo ficar menos lento?

1) ESCOLHA COISAS QUE ESTEJAM ALINHADAS COM OS SEUS OBJETIVOS

Em primeiro lugar, que tenham a ver com os seus objetivos no idioma. Se é viajar (como o meu caso aprendendo francês), comece aprendendo frases e expressões que precisará para se comunicar nessas circunstâncias. Repita os estudos com a maior frequência possível, fazendo exercícios, copiando e criando suas próprias frases com variações.

Por exemplo: se você também vai viajar, é importante aprender que I’d like a/an/some no restaurante quer dizer “Eu quero um/uma…”. Então crie e ensaie suas próprias variações de acordo com o que você pediria e gosta de comer.

I’d like some fries

I’d like a glass of red wine

I’d like a slice of chocolate cheesecake

2) OUÇA O MÁXIMO QUE PUDER

Escolha temas que você goste, como seriados que lhe interessam e canais do YouTube e videos do TED que tenham a ver com as coisas que você gosta em português. Estudar o que se gosta aumenta exponencialmente as chances de se dedicar e fixar o conteúdo.

Ouvir é uma das melhores maneiras de adquirir uma nova língua, acostumando-se aos sons e junções das palavras, além de apresentar novas expressões que podem (e devem) ser imitadas sempre que possível, até você conseguir incorporar aos seus próprios pensamentos. Logo você vai começar a imitar os personagens e vai até sonhar em inglês de tanto tempo que passou ouvindo.

Mas não é mágica. É treino.

Mas ouvir o quê? Neste post há várias ideias de sites e plataformas para escolher o que você quiser.

Com legendas ou sem legendas? Neste video eu desmistifico de uma vez por todas a demonização que muita gente faz das legendas em português. No começo, ouvir sem legendas só vai dar mais medo e frustração do que realmente a chance de aprender alguma coisa.

3) FORCE A SI MESMO A TRADUZIR O SEU DIA A DIA

Comece com as coisas mais simples, que parecem besteira (Agora eu vou tomar banho, Preciso ligar para o meu médico, Oi, mãe! Tudo bem?), mas que vão sinalizar ao seu cérebro que há uma outra maneira de pensar, um outro idioma ao qual ele precisa se acostumar. Use o vocabulário que você já sabe e vá incorporando palavras que não sabe aos poucos.

No começo você vai se cansar e pode até ter um pouco de dor de cabeça – e é normal, por causa da falta de costume. Mas vá fazendo um pouco por dia e você verá como vai ficar mais fácil.

Por fim, NÃO DESISTA. Ninguém nasce com o dom de pensar em outro idioma; todo mundo tem que ralar pra isso. Não é milagre depois de x anos de estudo; é resultado de trabalho consciente. Então, por que não começar hoje para que isso aconteça mais rápido do que você imagina?

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.