How to think in English

How to think in English

For most people, thinking in English means you don’t need to translate things in your head anymore, and consequently, you don’t waste so much time trying to build your sentences. And it’s probably every student’s ultimate goal, the winning lottery ticket, the pot of gold at the end of the rainbow. It’s when you don’t need to study any longer because you’re already fluent. 

#NOT

Our brain is CONSTANTLY trying to save energy, to get rid of information it doesn’t use often. When we learn new vocabulary and don’t use it, our brain doesn’t bother to save space for that information. Apart from that, the more tired we are, the harder it is to think, in whatever language.

That’s why it’s so hard to simply start building random sentences in another language: because we don’t have a vast enough vocabulary yet. We don’t insist on practicing enough so our brain understands that that deserves to be kept in a special place. It’s like the OG speed dial.

In other words: the more you practice the things you want to speak, the faster you’ll think and the less you’ll have to translate.

But again: the things you want to speak.

That’s why I always insist on the need to understand your goals very clearly, writing them down so you can chase them with deretmination and knowledge. The more time we waste learning isolated words, or ones that are too hard, or even complicated expressions we won’t be able to use, the harder it will be to think in a foreign language. 

So, what exactly does it mean to think in a foreign language?

It’s when you’ve practiced specific vocabulary many (MANY!) times, so many that it doesn’t take you that long to express your ideas. We automatically think in our native language because we’ve been doing it for years, so it feels automatic. But building a thought is arduous work in any language.

 

How can I speed up this process?

  1. PICK THINGS THAT ARE ALIGNED WITH YOUR GOALS

First of all, that are related to your goals when learning a foreign language. If you aim to travel (like it’s my case learning French),  start by learning sentences and expressions you’ll need to communicate in such circumstances. Review what you study as often as possible, doing exercises, copying sentences to your notebook, and making your own sentences adapting to your reality.

For instance: if you’re also planning on traveling, it’s important to learn that I’d like a / an / some at a restaurant means you want to order. So create and rehearse your own variations of what you’d order and like to eat.

I’d like some fries

I’d like a glass of red wine

I’d like a slice of chocolate cheesecake

2. LISTEN AS MUCH AS YOU CAN

Pick topics you like, such as TV shows, YouTube channels, and TED talks related to things that pique your interest. Studying what you highly increases the chances of you working harder, and, as a consequence, fixating the content you’ve studied.

Listening is one of the greatest ways of acquiring a new language, getting used to different accents linking sounds, besides showing you new expressions that can (and should) be practiced as often as possible until you manage to incorporate them into your own thoughts. You’ll soon start imitating characters and even dreaming in English as a consequence.

It’s not magic. It’s practice.

3. TRANSLATE YOUR DAILY ROUTINE INTO ENGLISH

Start with the simplest things that feel a little silly even (I’m about to go shower, I have to call my doctor, Hi mom! How are you?), but that will send your brain a signal that there’s another way of thinking, another language it has to get used to. Use the vocabulary you already know and incorporate other new words little by little.

In the beginning, it’s going to be tiring and you might even feel a little bit of headache, both of which are completely normal. It’s because of your lack of practice. Do a little every day and you’ll see how much easier it gets.

 

And lastly, DO NOT GIVE UP. No one’s born with the ability to think in another language. Everyone has to work for it. It’s not a miracle that happens after some years of study; it’s the consequence of hard, focused work. So, why not start today so it happens faster than you imagine?

No one will understand what I say!

How to make sure people understand what you're saying

The fear of not being understood when speaking English or writing an email or a message is almost universal. Practically everyone who studies a foreign language is terrified of forgetting an auxiliary verb in the middle of a sentence, of not remembering the right term, or of mispronouncing a word.

Obviously, it’s quite important to be as accurate as you can, especially when we’re talking about a big presentation, a corporate event, or writing a contract. On those occasions, preparation is not only important; it is key.

Learn key sentences in the beginning

If your fear derives from the fact that you still don’t feel ready to think in English and come up with your own sentences because you lack vocabulary, learning key expressions in the beginning (for example, to talk about yourself, order a meal or even ask for information) helps you feel more secure about your own English skills.

Practice these sentences as often as you can so you can feel more confident and willing to speak from the very beginning.

The English Conversation Practice / Speak English Conversation app has lots of dialogues with sentences and exercises for you to roleplay.

Create scripts 

Prepare scripts of what you’re going to have to say or want to say. Are you traveling any time soon? Prepare conversations you might have with the Immigration officer, at the airport, at the hotel lobby, in restaurants, stores, in an Uber… Practice with the recorder on your phone until you feel confident about your pronunciation.

Do you have to take phone calls from foreigners? Prepares scripts thinking about how to take messages, put people through, reschedule meetings, etc. Practice as much as you can; when these situations do happen, you’ll be prepared for most of them and won’t need to rely on your memory – which is likely to fail if you haven’t used those words/expressions in a long time.

Speak more slowly

Many students watch movies and videos or listen to music and have the false impression that in order to speak English well one has to speak fast. Many people want to copy what native speakers do and end up having a hard time pronouncing certain words, which happens when you don’t have enough practice: you simply don’t pronounce certain sounds or even entire words, and that can hinder communication because the other person won’t understand what you say.

Keeping your nerves in check and speaking more slowly (a natural speaking rhythm) is a great way to start becoming more confident. Being understood is your number one priority, not sounding like a native (whatever that means).

For all of the three techniques mentioned above, your cell phone recorder is invaluable. Practice pronunciation, intonation, and rhythm if you want to speak English well.

Building up the courage to speak doesn’t happen overnight. But with those three guided practice ideas, it’ll happen much faster.

Why are people afraid to speak English?

Why are people afraid to speak English?

For some years now I’ve asked myself this question, especially because, as a teacher, my main goal is to help people who study English and want to speak but simply can’t. But why is that? One of the reasons is fear. Fear of  failure. Fear of forgetting a preposition, of misconjugating a verb, but especially the fear of looking stupid in front of a native speaker. 

But why are we so afraid? Haven’t we embarrassed ourselves enough in one lifetime to know that people just don’t care? And that after five minutes people will be laughing about something else?

Another important aspect is that if you think you’re making mistakes when speaking English, you know a lot more than many people who haven’t even bothered to learn other languages; it means you’re bolder, you think faster and you have more access to culture in general than before you started studying. Score!

If that’s not enough to make you think twice before letting fear stop you, check out this data from a poll conducted by Babbel: 

  • 1.3 billion people in the world speak English
  • 360 million people are native speakers of English (English is their first language)

This means that the chances of you speaking English to someone who’s just as fluent or even less fluent than you are way higher than you chatting with a native speaker.

And this means that, even if the person does indeed have a higher level of English than you do, they’ve struggled with the same things, so they’ll be more patient and understanding with your mistakes.

Fear is the only thing stopping you from trying because you probably already have the means to speak.

I’ll always fight tooth and nail to defend the idea that, more important than memorizing verb charts and not needing to use a dictionary, is to feel free from your own limitations and express yourself as well as you can, until the day you can do it as well as you want. 

De onde vem o medo?

Há alguns anos tenho me perguntado de onde vem isso, principalmente porque, como professora, meu maior objetivo é ajudar as pessoas a acabar com esse impedimento. De onde vem essa trava? E tenho observado que é por causa do medo. Medo de falhar. Medo de esquecer uma preposição, de conjugar um verbo errado, mas principalmente de fazer papel de tonto na frente de um estrangeiro.

Mas por que esse medo? A gente já não passou vergonha demais nessa vida pra saber que ninguém se importa muito? E que dali cinco minutos as pessoas vão estar rindo de outra coisa?

Um outro ponto importante é que se você acha que está falando inglês errado, já sabe mais do que muitas pessoas que nunca se deram o trabalho de aprender outros idiomas; significa que você tem mais coragem, mais destreza mental e mais acesso a cultura de uma maneira geral do que tinha antes de começar a estudar. Score!

Se isso ainda não é suficiente pra te fazer repensar o medo, veja esses dados de uma pesquisa de junho de 2017 feita pelo site Babbel:

  • 1.5 bilhão de pessoas no mundo falam inglês
  • 360 milhões são falantes nativos

Isso significa que as chances de você conversar em inglês com alguém que sabe tanto quanto você ou até menos são muito maiores do que de papear com um nativo. E isso quer dizer que, por mais que a pessoa saiba mais do que você, ela já passou pelas mesmas dificuldades que você tem, então vai ser muito mais compreensiva e paciente.

O medo é a única coisa que está impedindo você de tentar, porque conhecimento você provavelmente já tem. Defendo com unhas e dentes a ideia de que, mais importante do que decorar tabela de verbos e não precisar usar dicionário, é se sentir livre das próprias amarras para poder se expressar como puder, até o dia em que você puder se expressar como quiser.

O que ler em inglês?

Se você estuda inglês e não lê, deveria.

O hábito da leitura não só amplia a capacidade de reter vocabulário como também nos ensina sobre gramática, pontuação e principalmente ritmo de conversa. Ao prestar atenção às estruturas das frases percebemos onde fazer pausas ao falar com alguém, tanto por texto quanto por voz.

A maior dificuldade, no entanto, é encontrar material adequado ao seu nível de estudo. Há muita coisa disponível na internet, mas como decidir o que é melhor para o que você está aprendendo?

Por isso reuni algumas ideias de leitura para todos os gostos e bolsos:

Short stories

Como o nome já diz, são histórias curtas (incluindo lendas e fábulas) principalmente para quem ainda não tem o hábito da leitura formado.

Ferramentas ótimas:

  • Rong-Chang: um site com inúmeras short stories para os níveis básico e intermediário. Inclui também a gravação da short story para acompanhar. Excelente para quem ainda não conquistou muito tempo para estudar.
  • International Language Studies também é dividido por níveis, mas as short stories são bem mais longas. Ótimo para quem quer dedicar um pouco mais de tempo à leitura.
  • O aplicativo T.I.G (Textos em Inglês Grátis), gratuito para Android mas pago para iPhone, traz textos curtos não só com a tradução, mas com audio também. Excelente para treinar a compreensão de texto e auditiva.

Livros autênticos

Toda vez que recebo a recomendação de um novo livro, procuro em inglês em sites de livrarias para ver se está disponível em inglês.

Em sites como SBSDisal e Livraria Cultura há promoções frequentes de livros populares.

Em livrarias físicas, inclusive, há grandes clássicos em inglês por preço muito baixo. Os livros mais caros são os lançamentos mais recentes.

Pode levar mais tempo para ler, mas a sensação de conseguir ler em outro idioma não tem preço.

Uma outra possibilidade é o English e-reader, um site com inúmeras obras literárias famosas em inglês, a maioria de domínio público. É possível escolher por nível, autor ou título. Clássicos como O Poderoso Chefão, O Diário de Anne Frank e Forrest Gump estão lá! É possível baixar em .epub e ler no Kindle.

Notícias

Não precisa ter medo de ler notícias. As palavras mais difíceis podem assustar sim, mas a ideia é aumentar a compreensão gradativamente; por isso começar é tão importante.

O site News in Levels traz em cada postagem a mesma notícia em três níveis diferentes, com a diferença do vocabulário de um para outro. Também contém audio e muitas vezes o video original da notícia no nível 3 (avançado).

Para quem quer ter contato com a norma culta, o jornal britânico The Guardian é provavelmente o mais imparcial e eficiente. O aplicativo para celular envia alertas de notícias urgentes, como desastres naturais e atentados terroristas, além de conter atualizações em tempo real na página da notícia.

O mito dos livros infantis

A grande maioria das pessoas pensa que começar o hábito da leitura por livros infantis é a melhor solução porque a linguagem é mais fácil. Mas isso nem sempre acontece.

Livros para crianças já alfabetizadas podem conter histórias no passado, com verbos e termos mais complicados para estudantes que estão iniciando. Caso você queira comprar esse tipo de livro pela internet, sugiro algum site que permita ver o livro por dentro, ou tentar usar o Kindle Unlimited gratuitamente por 30 dias e buscar a seção de livros infantis por algum do seu nível.

A única desculpa para não ler em inglês, portanto, é falta de vontade. Se esse não for o seu problema, aproveite o tempo parado no trânsito, na espera da consulta médica ou na fila do supermercado para se dedicar alguns minutinhos (ou muitos) aos estudos.

Falar inglês vai mudar a sua vida

Eu tive o enorme privilégio de aprender inglês desde os quatro anos. De ser alfabetizada em inglês e português ao mesmo tempo, de descobrir minha paixão por idiomas desde muito cedo e poder fazer disso grande parte da minha identidade.

Mas eu também tive o interesse de continuar estudando por conta própria quando minha mãe não podia mais pagar; de começar minha carreira aos dezoito anos em uma escola de idiomas de bairro, aprendendo tanto quanto ensinando; a curiosidade de ver o mundo com outros olhos.

E isso mudou minha vida.

Falar inglês me trouxe mais alegrias do que eu jamais poderia contar, e nas coisas às quais muita gente não dá valor. Fazer amigos em todos os cantos do mundo tem sido a mais recompensadora delas.

casual-diversity-female-1206059.jpg

Hoje eu me considero uma cidadã do mundo sem nunca ter morado no exterior. Tenho amigos canadenses, americanos, ingleses, nigerianos, húngaros, cingapurianos… Trago comigo todas as histórias que me contaram, os costumes que me ensinaram, assim como eles também levam consigo um pedacinho do Brasil que eu lhes dei.

Isso também me trouxe uma visão de mundo muito mais ampla, curiosa e tolerante, com maior aceitação de outras culturas e em uma posição de aprender mais do que ensinar. Me mostrou o quanto eu ainda quero conhecer. Quanto mais idiomas eu falo, mais mundos eu conheço.

Há anos tenho a honra de ajudar sabe-se lá quantas pessoas a se comunicar em um outro idioma, seja em viagens, no trabalho ou por realização pessoal. Ajudo a mudar vidas. Aprendo a cada dia a ver o mundo com os olhos de quem ainda o está descobrindo.

Tenho acesso a informações, artigos, livros e filmes que demoram a ser traduzidos para o português. Isso me dá fontes inesgotáveis de sabedoria antes das outras pessoas – e me sinto na obrigação de compartilhá-las.

Em viagens para países de língua inglesa, não corro o risco de comprar algo que eu não queira, nem pedir algo errado em um restaurante, muito menos ficar presa na Imigração. Tampouco me perder no aeroporto. Recebo atendimento muito mais atencioso, cordial e paciente.

lake eola

Também consigo ajudar outros brasileiros que não têm tanta segurança para falar. Viajo de maneira independente, com muito mais segurança e menos medo de me perder, mesmo que esteja ali pela primeira vez. Tenho menos problemas durante a viagem e quando os tenho, resolvo rapidamente.

Quando cogitei ser comissária de voo, o idioma era o maior problema para os estudantes do curso; eu já estava um passo à frente. Se eu quisesse seguir uma carreira corporativa, teria cargos e salários mais altos.

Quando conheci meu ídolo, um músico, consegui conversar com ele por alguns poucos minutos sem gaguejar, sentir vergonha ou ser indelicada sem querer por não entender as diferenças entre nossos costumes.

Estudos recentes mostram que, por eu falar mais de um idioma, minhas chances de ter doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson serão adiadas em cinco anos ou mais. Meu cérebro também tem aumentada a sua capacidade de resolver problemas e trocar de atividades mais rapidamente, assim como a concentração e a seleção de informações relevantes.

Hoje, falar inglês fluentemente é sem dúvida grande parte de quem eu sou. Minha essência foi moldada também pelas experiências que tive por saber outro idioma, por ter contato com outras culturas, outros mundos completamente diferentes do meu, ainda que sem sair de casa.

Como vai mudar a sua?

Como pensar em inglês?

nikita-kachanovsky-bLY5JqP_Ldw-unsplash

Para a maioria das pessoas, começar a pensar em inglês significa parar de traduzir tudo de um idioma para o outro, e consequentemente parar de perder tanto tempo tentando construir frases. E é provavelmente o maior objetivo de quem estuda inglês, o bilhete da loteria, o pote de ouro no fim do arco-íris. É quando você sabe que não precisa mais estudar porque já é fluente.

SÓ QUE NÃO.

O nosso cérebro está A TODO MOMENTO tentando economizar energia; se livrar de informações e espaço que não usa. Quando aprendemos vocabulário e não usamos, o cérebro não se dá o trabalho de reservar espaço para aquilo. Também tem o fato de que, quanto mais cansados estamos, mais difícil é pensar, em qualquer idioma que seja.

Por isso é tão difícil sair construindo frases aleatórias em outro idioma: porque ainda não temos vocabulário suficiente. Não insistimos em praticar o suficiente para que o cérebro entenda que aquilo merece ser guardado em um espaço especial. É como o speed dial dos telefones antigos.

Portanto, quanto mais você praticar as coisas que quer falar,  mais rápido conseguirá pensar e menos terá que traduzir.

Mas repito: as coisas que quer falar.

Por isso eu sempre insisto na necessidade de entender seus objetivos de maneira muito clara, escrevendo-os para ir atrás deles com muito discernimento. Quanto mais perdermos tempo com coisas isoladas, difíceis demais para o nosso nível, e coisas que não conseguiremos incorporar aos nossos estudos, mais difícil será pensar no novo idioma.

Então, o que é pensar em um novo idioma?

É ter praticado certo vocabulário tantas vezes, mas tantas vezes, que você não precisa mais levar tanto tempo assim para manifestar as suas ideias. Pensamos automaticamente em português porque é o que fazemos há muitos anos, então parece que é automático. Mas compor um raciocínio é uma tarefa árdua em qualquer idioma.

E como fazer esse processo ficar menos lento?

1) ESCOLHA COISAS QUE ESTEJAM ALINHADAS COM OS SEUS OBJETIVOS

Em primeiro lugar, que tenham a ver com os seus objetivos no idioma. Se é viajar (como o meu caso aprendendo francês), comece aprendendo frases e expressões que precisará para se comunicar nessas circunstâncias. Repita os estudos com a maior frequência possível, fazendo exercícios, copiando e criando suas próprias frases com variações.

Por exemplo: se você também vai viajar, é importante aprender que I’d like a/an/some no restaurante quer dizer “Eu quero um/uma…”. Então crie e ensaie suas próprias variações de acordo com o que você pediria e gosta de comer.

I’d like some fries

I’d like a glass of red wine

I’d like a slice of chocolate cheesecake

2) OUÇA O MÁXIMO QUE PUDER

Escolha temas que você goste, como seriados que lhe interessam e canais do YouTube e videos do TED que tenham a ver com as coisas que você gosta em português. Estudar o que se gosta aumenta exponencialmente as chances de se dedicar e fixar o conteúdo.

Ouvir é uma das melhores maneiras de adquirir uma nova língua, acostumando-se aos sons e junções das palavras, além de apresentar novas expressões que podem (e devem) ser imitadas sempre que possível, até você conseguir incorporar aos seus próprios pensamentos. Logo você vai começar a imitar os personagens e vai até sonhar em inglês de tanto tempo que passou ouvindo.

Mas não é mágica. É treino.

Mas ouvir o quê? Neste post há várias ideias de sites e plataformas para escolher o que você quiser.

Com legendas ou sem legendas? Neste video eu desmistifico de uma vez por todas a demonização que muita gente faz das legendas em português. No começo, ouvir sem legendas só vai dar mais medo e frustração do que realmente a chance de aprender alguma coisa.

3) FORCE A SI MESMO A TRADUZIR O SEU DIA A DIA

Comece com as coisas mais simples, que parecem besteira (Agora eu vou tomar banho, Preciso ligar para o meu médico, Oi, mãe! Tudo bem?), mas que vão sinalizar ao seu cérebro que há uma outra maneira de pensar, um outro idioma ao qual ele precisa se acostumar. Use o vocabulário que você já sabe e vá incorporando palavras que não sabe aos poucos.

No começo você vai se cansar e pode até ter um pouco de dor de cabeça – e é normal, por causa da falta de costume. Mas vá fazendo um pouco por dia e você verá como vai ficar mais fácil.

Por fim, NÃO DESISTA. Ninguém nasce com o dom de pensar em outro idioma; todo mundo tem que ralar pra isso. Não é milagre depois de x anos de estudo; é resultado de trabalho consciente. Então, por que não começar hoje para que isso aconteça mais rápido do que você imagina?

Ninguém vai me entender!

O medo de não ser compreendido ao falar inglês ou escrever um email ou uma mensagem é quase que universal. Praticamente todo estudante de um outro idioma tem pavor de esquecer um auxiliar no meio da frase, não lembrar a palavra certa ou pronunciar de um jeito estranho.

woman-2696408_1920

É óbvio que é muito importante ser o mais preciso possível, especialmente quando se trata de uma apresentação importante, um evento corporativo ou a redação de um contrato. Para isso, preparar-se com antecedência não só é importante; é fundamental.

Aprenda frases prontas no começo

Se seu medo vem da sensação de que ainda não está pronto para pensar em inglês e construir suas próprias ideias porque falta vocabulário, aprender frases prontas no começo como por exemplo para falar de si mesmo, pedir refeições ou até informações ajuda muito a ter mais segurança porque você não vai duvidar de si mesmo.

Praticar essas frases o máximo que puder garante mais confiança e disposição para falar desde o começo do seu aprendizado.

O app English Conversation Practice tem muitos diálogos com frases prontas e exercícios para você se colocar no lugar de um dos interlocutores.

Crie scripts 

Outro dia deixei no feed do meu Instagram uma dica de ouro: prepare scripts do que você vai precisar ou quer falar. Vai viajar? Prepare conversas que você pode ter na imigração, no aeroporto, no saguão do hotel, nos restaurantes, nas lojas, no Uber… Treine no gravador do seu celular até sentir segurança no que está pronunciando.

Vai atender telefonemas de estrangeiros? Prepare scripts sobre como anotar recados, transferir ligações, reagendar reuniões, etc. Pratique o máximo que puder; quando as situações acontecerem, você já estará preparado para a maioria delas e não precisará confiar na sua memória – que possivelmente vai falhar se você não usa aquelas palavras/frases há muito tempo.

Fale mais devagar

Muitos alunos ouvem filmes, músicas e videos e têm a falsa impressão de que para falar inglês bem é necessário falar rápido. A vontade de imitar os nativos faz com que nos atrapalhemos, porque o que acontece muitas vezes com quem ainda não tem muita prática é que acaba “comendo” alguns sons ou até palavras, e isso pode prejudicar o entendimento do interlocutor.

Policiar o nervosismo e falar mais devagar (mas com ritmo natural) é uma ótima maneira de começar a criar mais confiança, porque você tem mais certeza de que será entendido. O mais importante é ser compreendido, não falar igual um nativo. 

Para as três técnicas, o uso do gravador do seu celular é de ajuda inestimável. Treinar a pronúncia das palavras, a intonação de perguntas e a cadência das frases é indispensável para falar bem.

Portanto, criar coragem de falar não é algo que acontece da noite para o dia. Mas com essas três práticas, o treinamento direcionado vai ajudar a ter confiança muito mais rápido.